quinta-feira, julho 13, 2006

As gentes do Porto

Parece que têm de iniciar um processo de limpeza, ao mais alto nível na autarquia e seus apêndices.

O conflito que aqui e ali se manifesta entre entidades ligadas à autarquia e esta propriamente dita, já conheceu melhores dias.

Mas quando é a vida das populações que é colocada em risco, pela incompetência dos autarcas que são eleitos, mas que nada sabem fazer sem os tais assessores, aí o caso devia “piar mais fino”


A propósito ou a despropósito desta noticia ( «Aconteceu o que mais temíamos», referiu indignado ao PortugalDiário o chefe de prevenção à cidade, dos Bombeiros Sapadores do Porto, António Curado, que responsabiliza a autarquia por ter deixado a corporação sem gente suficiente para acorrer às situações de urgência.)

O vereador da (?) Protecção Civil, Sampaio Pimentel, referiu em declarações à «SIC», que os bombeiros actuaram correctamente no socorro às vítimas, mas lamentou que se tivessem «aproveitado» de uma «desgraça» para reivindicar horas extraordinárias.


Já não há espaço para espanto, nesta sociedade cada dia mais decadente em que somos obrigados a viver.

Não é a falta de planeamento, a ineficaz coordenação e gestão dos meios humanos, que força a sobrevivência do recurso a horas extraordinárias?

E isto é culpa de quem trabalha?
E isto é culpa dos Bombeiros do Porto?

Ou será culpa do porco da vizinha???

3 Comments:

At 12:17 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Aí é que bate o ponto! Falta coordenação, falta orientação e falta coragem para responsabilizar as chefias.

Inês

 
At 8:00 da manhã, Blogger Adryka said...

Mas isso não se passa só no Porto, se repares isso passa-se em quase todas as autarquias, eu falo por a minha. Bjs

 
At 10:35 da tarde, Blogger martelo said...

aquilo que os políticos fazem e impõem para se manterem no poder discricionário deveria ter uma paga... nem que fosse na banca do tribunal.

 

Enviar um comentário

<< Home